Campo Mourão Política Todos

Prefeitura paga conta de energia elétrica para eventos privados no Parque de Exposição

O caso da ligação de energia elétrica no Parque de Exposição teve novos capítulos. O promotor do Ministério Público, Marcos Porto esteve no Parque na manhã desta quarta-feira, 14, e de acordo com nota da prefeitura, não constatou ligação clandestina, o popular “gato”.

No entanto, o local tem apenas um medidor para todos os ambientes e essa ligação está em nome da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente. Ao verificar o portal da transparência do município, é possível identificar pagamentos de valores altos da conta de energia da secretaria.

De acordo com o Portal da Transparência da prefeitura de Campo Mourão, o município pagou, com recursos públicos, o valor aproximado de R$ 54.524,53 no período de janeiro a Abril de 2017 (referentes aos meses de Dezembro-16 a março de 2017) em contas de energia elétrica da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (SEAMA) que fica localizada no Parque de Exposições.

Foto abaixo retirados do Portal da Transparência.

Contas de energia elétrica da Secretaria de Meio Ambiente (SEAMA).

Apesar das contas acima de R$ 10 mil reais cada, a SEAMA é uma secretaria da prefeitura que ocupa um espaço com poucas salas no local.

Foto da sede da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente.

Por mês, a média de gastos está em aproximadamente R$ 13,6 mil reais. Ao constatar que há apenas um medidor eventos privados realizados no local tem energia elétrica paga pelo contribuinte mourãoense. Muitos desses eventos tem cobrança de aluguel para uso do local que pode alcançar milhares de reais e que são recolhidos por entidades terceiras.

De acordo com informações colhidas pelo Blog do Raoni, essa situação pode estar acontecendo ha mais de 10 anos, período de gestão dos ex-prefeitos Nelson Tureck, Regina Dubay e os primeiros 5 meses do atual prefeito Tauillo Tezelli.

A situação já vem sendo investigada pelo Ministério Público (MP). Os valores gastos pela prefeitura poderão ter que ser ressarcidos aos cofres públicos.


Deixe um comentário